Cartas

6 de Novembro de 2017 (ante-estreia)

Festival Mindelact

Mindelo, Cabo Verde

9 de Março de 2018 (estreia)

FITA - Festival Internacional de Teatro do Alentejo

Elvas

Mindelo,

6 de Novembro de 2017

Escrevo-te, já no palco, sem luz, Maria Helena.

Tentando adivinhar se, por um acaso, é possível ou não encontrar-te na penumbra.

Aqui, onde te espero, a sombra guarda os meus olhos.

Ilumino-me como farei contigo, de mulher para mulher.

Que me tragas a luz.

De igual para igual.

Esta carta, escrita em cena, precipitou um início de correspondência que agora é chão.

Recordo Pirandello - como as suas personagens o procuram, assim vou eu, atriz, na senda da Maria Helena – resgatando-a da história (para a História, quem sabe).

 

Cátia Terrinca

 

SINOPSE:

 

Si sabes pintar tu tierra,

oye, tu tierra, si has de pintar tu cielo

como el sol que tuesta blancos,

como el sol que suda negros,

aunque la Virgen sea blanca,

píntame angelitos negros.

 

CARTAS é a recordação efémera de um homem e uma mulher, na correspondência trocada entre eles.

 

Parte-se, num processo simultâneo de criação e de memória, das cartas que Amílcar Cabral e Maria Helena, sua primeira mulher, trocaram - inevitavelmente fragmenta-se o espaço, a voz e a caligrafia. 

O espólio, que serve de base a esta criação, refere-se às cartas que Maria Helena escreveu a Amílcar Cabral entre 1946 e 1960. Muitas  perderam-se nas viagens, na fuga, na luta  e no esquecimento. O que surge em cena são as lacunas, os espaços entre o desfoque e a nitidez, o movimento da memória em direção ao corpo. 

 

Ela escreve-lhe: "Eu tinha saudades de uma carta. Eu tenho saudades suas, acabou-se a tinta da caneta e aqui só há desta."

Nota: Este processo de trabalho realizou Residência Artística na cidade do Mindelo, em Cabo Verde, com o apoio do Centro Cultural Português e da ALAIM a convite do Festival Mindelact, entre Outubro e Novembro de 2017. A primeira versão foi apresentada em antestreia a 6 de Novembro de 2017, no Festival Mindelact, em coprodução com o Grupo de Teatro do Centro Cultural Português - Pólo do Mindelo.

FICHA TÉCNICA E ARTÍSTICA

Direção Artística: João Branco e Cátia Terrinca

Criação: Coletiva

Dramaturgia: Celeste Fortes e Sofia Berberan

Cenografia e Figurinos: Ricardo Guerreiro Campos

Confeção de Figurinos: Joana Leal

Interpretação: Cátia Terrinca

Sonoplastia: Mariana Bragada / Meta

Vídeo: Ângelo Lopes

Desenho de luz: João P. Nunes 

Fotografia: Sofia Berberan

Produção: Márcia Conceição e Sofia Berberan

Apoios: DGArtes, Oficina de Utopias, Rádio Elvas e Raiz di Polon

Co-produção GTCCPM – Grupo de Teatro do Centro Cultural Português do Mindelo

FOLHA DE SALA

Textos . Cátia Terrinca e Celeste Fortes

Design . Oficina de Utopias

Fotografias . Sofia Berberan

#15 Projeto UMCOLETIVO